Conexão…

O aeroporto estava um tédio. Depois de um voo de 40min, lá estava eu aguardando mais 1h30 para conexão.

Para distrair, começo a circular pelo aeroporto… Olho algumas vitrines (poucas, pois a maioria das lojas estava em reforma, fechada ou em construção mesmo, devido a previsão de ampliação para a copa do mundo), compro algumas lembranças… Paro em um café ao lado de uma loja de CDs e penso: Ainda existe isso? Relaxo ouvindo algumas músicas que ali tocavam…

Observo à volta e me deparo com uma figura que realmente me chamou a atenção. Adoro mulheres que leem livros e essa estava realmente vidrada… Reparo que o garçom a entrega o mesmo pedido que eu: Capuccino com conhaque e dois pães de queijo… Hum… Temos muito em comum – pensei.

Ameaço acender um cigarro, mas desisto. Bons tempos aqueles em que isso não era crime… Guardo-o na boca e levanto os olhos, quando noto que a senhorita estava distraída me observando…

Retribuí o sorriso sem-graça e me encorajei a ir até ela.

– Vejo que tem bom gosto…
– Como?
– Capuccino, um bom livro e uma boa música…
– Ah não… Estou ouvindo funk no meu celular – disse ela, levantando os cabelos da orelha e mostrando um fone.

Obviamente não pude disfarçar minha decepção… Sorri e sussurei:
– Boa leitura…

Já ia me retirando quando a moça diz:
– Prazer, meu nome é Lívia… E isso não é funk… Só falei pra espantar más companhias…

Sorri ainda meio desconcertado… Ela mais ainda…

– Eh… Quis dizer que não era pra você a pegadinha… Pode me fazer companhia, se quiser…
– Adoraria… Prazer, meu nome é Thiago.

A conversa foi rolando devagar… Ela aguardava um voo que sairia 15min depois do meu…

A senhorita que estava em minha frente era uma microempresária casada, com algo entre 48 e 52 anos, segura de si e que estava pra fechar um negócio grande pra ela… Algo como uma nova filial ou franquia, não entendi ao certo… Meu interesse estava mais voltado ao que aquele furacão aparentava ter a me oferecer…

Sério que você não leu este livro? É uma delícia… Sente um trechinho…

“Parado de novo à minha frente, ele engancha os dedos na minha calcinha e a abaixa sem a menor pressa, despindo-me dela com uma lentidão de doer, até terminar ajoelhado diante de mim. Sem desgrudar os olhos dos meus, amassa a calcinha, leva-a ao nariz e inspira profundamente. Puta merda. Ele acabou de fazer isso mesmo? Sorri com malícia para mim e mete a calcinha no bolso da calça.”

– Gostou?
– Hum… Parece bem interessante…

Falei acariciando sua coxa… Ainda pouco acima do joelho…
– Vai lendo…

Enquanto ela prosseguia em sua leitura, eu ousava mais ainda com as mãos e em poucos segundos estávamos nos beijando… Meus dedos já estavam bastante úmidos, porém estávamos em uma área muito explícita e era uma questão de tempo até que alguém nos repreendesse ou um conhecido nos flagrasse…

– Ai, cachorro… Quanto tempo temos?
– Uns 30 minutos… No que está pensando?
– A loja ao lado da de lingerie…
– Que que tem?
– É minha… Está fechada e só reabre semana que vem… E eu tenho a chave…

Fomos pra lá disfarçando (muito mal) nosso tesão. Ela na frente e eu, alguns segundos atrás e com um indisfarçável volume na calça…

Entrei e ela estava de costas pra mim e de frente pro sofá da recepção… Sequer olhou pra trás… A chave estava na porta e a tranquei. Ela só ajoelhou sobre o sofá, empinou a bundinha e escorou as mãos no encosto… Era notório que ela havia retirado a calcinha…

– Puta…

Lambi seu pescoço e mordi sua orelha, enquanto agarrava seu seio e dedilhava sua bucetinha.. Achei que fosse precisar disso para umedecê-la, mas ela já estava encharcada… Ela tentava me punhetar, mas praticamente não me alcançava e eu a fazia estremecer por completo…

Ela saiu da posição e tirou minha calça… Me pagou um delicioso boquete enquanto terminava de se despir. Eu também trava minha gravata e a camisa, enquanto a calça e a cueca ficavam a cargo dela… Ela não parava um segundo de variar o boquete… A maestria de uma mulher madura é algo impagável…

Novamente nos beijamos e a cachorra voltou pra posição no sofá… A dedilhei mais um pouco e levei um pouco de seu caldo pro cuzinho… Atolei o dedo no mesmo instante em que dei a primeira penetrada profunda com o pau me sua buceta…

Ela praticamente arriou… Gemeu alto e comecei a meter na medida em que ela rebolava… A desgraçada sabia usar aquela bunda como poucas… Chupava meu dedo médio e gemia alto, enquanto tentávamos sincronizar os movimentos…

Meu pau estava completamente melado… O cuzinho dela piscava constantemente a cada vez que gozava. Ela gozou umas 3 vezes nesse tempo, então achei que já era minha vez…

– Vou preencher esse cuzinho… Ele não para de latejar na minha mão.
– Não sei o que você está esperando…

Enfiei o pau lentamente no orifício daquela safada… Mas ela apressava as coisas, rebolando e sacudindo a bunda de forma a entrar mais rápido. Óbvio que tive que obedecê-la então meti com força e cada vez mais rápido…

– Goza, desgraçado… Quer perder o voo???
Metia cada vez mais forte e mais rápido, sem olhar nenhuma vez para o relógio ou celular…
– FODA-SE A PORRA DO VOO… TOMA LEITINHO, SUA CADELA…
– Filho da puta… Melou meu vestido todo…

Falou isso, mas não percebia que o vestido dela estava com o caldo da própria buceta além da porra que havia escorrido de sua bunda… Melei aquele traseiro gigante todo, gozando no cuzinho e fora dele… Mas ela já estava toda molhada com seu próprio caldo…
– Mas você gostou, não é safada?

Ela não respondeu… Simplesmente abocanhou meu pau, chupou e lambeu com força… Passou a língua em meu tórax, que estava todo suado e disse:

– Te daria um banho completo de língua agora, safado… Mas você tem que correr… Tem 5 minutos para embarcar. Eu me viro aqui, mas não quero que você se enrole…
– Se você quiser, posso ir em um outro voo… A gente se curte mais um pouco…
– Já disse que gosto de homens, safado… Deixa que eu sei que você volta pra me atender melhor outro dia… Tome aqui meu cartão… Me ligue e fale que é um desses produtos para sua esposa, caso outra pessoa atenda…
– Vadia…

Me vesti o mais rápido que pude e, pela primeira vez, ouvi meu nome sendo chamado pela voz do aeroporto…
– Essa safada também me quer – pensei eu, sorrindo sozinho…

[Comente…]

Anúncios

Sobre T.A.D.

T.A.D. É um personagem, que diz o que passa na cabeça de seu autor. Visite o blog mais vezes para tirar suas conclusões: http://migre.me/b2PzD
Esse post foi publicado em Calcinha, Conto, Leitoras, Minha autoria, Parceiria, Participação especial, Putaria, Texto Solto. Bookmark o link permanente.

8 respostas para Conexão…

  1. karla .. disse:

    Não sei explicar .. mas tive a mesma impressão T.A.D ..
    Esta cachorra te quer!’ kkkk

  2. Luna disse:

    Realmente um conto beeem interessante…

  3. Eu disse:

    Nossa….se Ela estava molhadinha,imagine eu agora?Molhadissimaaaa,excitadissima,amei o conto!Bjks!

  4. melinamenina disse:

    Enquanto você narrava o conto, eu imaginava você olhando para uma mulher no aeroporto fantasiando com uma loira lendo 50 tons de cinza… A gente nunca sabe o que se passa na mente de alguém, ela fantasiando com você, e você com ela… O conto é muito bom, impecável, aliás bons pecados…

    • T.A.D. disse:

      Imaginação… Ô dispositivozinho gostoso de se manipular… Ainda mais quando foge de nosso controle…

      Obrigado pela visita. Venha sempre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s