E numa tarde dessas…

A conversa estava muito boa. Aliás, estava muito quente… Estaria sozinho em casa por 10 dias, mas a cachorra estava fazendo jogo duro pra vir. Mas era óbvio que ela viria…

– Insiste, vai… Pede com jeitinho… – Falava ela, com vozinha de vítima, safada ou caçadora. Sei lá, não deu pra identificar quais desses papéis ela queria interpretar.
– Não sei insistir, cachorra… Mas posso te garantir que não vai ser só eu que sairia ganhando nessa.
– Hum… Muito fraco pra mim… Pede com jeitinho…

Detesto esse joguinho com vozinha e tal, onde o homem tem que rastejar pra conseguir algo. A minha vontade era mandá-la tomar no cú e ir embora, mas aquele vestidinho branco, estilo reveillon, que ela usavava estava realmente me forçando a imaginar uma mamada naqueles seios…

Cumprida as etapas do jogo meloso e detestável da sedução estilo filme de adolescente, é hora de ver se aquele motor 2.5 aguenta bater racha com o meu 3.3. E que racha ela tinha… Boquete delicioso, bucetinha meladinha e um impenetrável (por enquanto) cuzinho, que é a coisa mais linda desse mundo…

De 4, aquele minúsculo botãozinho parecia que tinha recebido um baton bem clarinho… A perfeição do conjunto buceta + cuzinho era impagável em qualquer posição que ela ficasse. E a vadia diz que aquilo será presente de casamento… Caralho, quanto tempo ela vai aguentar ter aquilo virgem?

Para a noite eu preparei minha especialidade: Macarrão Pene ao molho parmesão. E ela encheu a boca com os pennes, viu?

Antes de dormir, lá pelas 4h da matina, eu já nem tinha mais porra pra gozar… Já tínhamos trepado 3 vezes entre a hora que chegamos em casa (19h) e a hora que vimos que o cansaço iria nos derrubar (lá pelas 3h45min), mas insistíamos no rala e rola… Já tínhamos tomado 2 banhos (deliciosos por sinal) e fechamos a noite com um meia-nove cansado e bem relaxado… Algo pra ninar a parceira e só.

– Boa noite – lembro de ter sussurrado…
– Quero mais!!! – balbuciou ela, sem nem saber do que estava falando…

Zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Anúncios

Sobre T.A.D.

T.A.D. É um personagem, que diz o que passa na cabeça de seu autor. Visite o blog mais vezes para tirar suas conclusões: http://migre.me/b2PzD
Esse post foi publicado em Conto, Minha autoria, Texto Solto. Bookmark o link permanente.

8 respostas para E numa tarde dessas…

  1. Admiravel curiosa disse:

    Essas conversas do cachorro “perdido” sao as melhores.
    Sempre me impressionando, mentalmente imaginando a cena, como “bucetalmente” me fazendo escorrer de vontade”

    Beijos lindo

  2. Maria e João disse:

    Haha… presente de casamento foi impagável!

  3. Tara Flux* disse:

    Bom dia, delicia!
    Obrigada pela visita ao meu blog. Adorei o seu, por sinal!
    Grande beijo e uma semana cheia de tesão!

  4. Obrigada pela visita! Passei para retribuir…e adorei o que li!!! Rsrsrsrs.
    Amo ver (sou voyer e um tantinho exibicionista), mas ainda, ler! Sua escrita descreve com perfeição seus sentidos, parabéns!
    Poderia experimentar uma relação sadomasoquista, se isso lhe atrai, não há porque conter o que existe na sua imaginação – desde que com consentimento da outra pessoa e a devida segurança.
    Mais uma vez, agradeço sua visita e será sempre bem vindo!
    Abraços!
    {perséfone core}_DC

    • T.A.D. disse:

      Ainda não me atraio por praticar sadomasoquismo não… Mas adoro ver… Quem sabe um dia eu não me aventure?

      Seja sempre bem vinda. Bjs.

  5. Fernanda disse:

    Olá ,obrigado pelo coments e retibuindo a visita…
    Parabens pelo blog..
    bjssss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s