CONTO – Grávida no RH…

O que vou contar agora aconteceu comigo, no meu trabalho…

Trabalho como técnico em manutenção de micros em uma empresa de médio porte. O pessoal aqui da empresa é muito gente fina e mantemos um laço de amizade muito grande. A responsável pelo DP da empresa saiu e me ensinou o serviço para eu passar para sua substituta, colocaram uma garota nova, muito bonita por sinal. Essa durou apenas um dia e se foi.

A solução foi chamar uma ex-funcionária da empresa, que vou chamar de Paulinha. Ela é uma loira de aparência respeitadora, o que dificulta bastante à aproximação.

Aqui na empresa, almoçamos todos no mesmo restaurante. Na primeira vez que sentei ao lado dela, implicaram comigo dizendo que eu tinha dado em cima da antiga candidata e que ela seria a próxima vítima minha. Entrei na brincadeira e falei algo como: “- Essa aí só escapa de mim por causa da aliança…”.

Pois é… Ela tem a minha idade (27 na época) e é loira, tem seios médios e um corpo muito atraente e estava no segundo mês de gestação de um menino (rapagão com 3,5 anos hoje). Eu sou moreno escuro, cabelo cortado baixo (não muito baixo, o mínimo que usei foi máquina três) e olhos castanho-claro.

A gente se dava razoavelmente bem, mas nunca tínhamos muita intimidade. O que tinha era graças à primeira impressão – no tal primeiro almoço – mas fora isso, tudo era meramente profissional… Até que um dia…

Uma filial nossa, em outro estado, mudou de endereço. Houve troca de pessoal e tivemos viajar juntos… Aquilo me deu algumas ideias, pois já me sentia atraído por ela e já começava com algumas piadinhas, mas nada sério… Infelizmente nada rolou na viagem, mas jogamos algumas piadas sobre essa possibilidade… Não senti firmeza, então não parti para o ataque…

Alguns dias depois da viagem, notei que havia aumentado nossa amizade e que ela já começava a confidenciar que não estava bem com o marido. Ela estava já com uma barriga enorme e os seios haviam aumentado consideravelmente (Ou então era eu que pensava neles com outros olhos…). Mas o fato é que ela me atraía mais do que nunca e eu não disfarçava mais.
Aqui é que começa a aventura…

Uma vez ela veio me perguntar se sites pornográficos eram cobrados a mais da empresa… Eu falei que não e alimentei o assunto. Ela falou que não via graça e tal, mas ficou com medo porque tinha lido um conto erótico, meio que sem querer. Expliquei pra ela que banners pornográficos às vezes nos induzem a clicar, mas assegurei-lhe que isso não custaria nada a mais. Ela então veio me mostrar o que havia lido e eu, mais excitado do que nunca, prestava atenção. Havia alguns links que estavam “de uma cor diferente”, indicando que já haviam clicado neles. Títulos como “TRAÍ MEU MARIDO COM UM COLEGA DE TRABALHO”, ou “TRAÇANDO UMA GRÁVIDA” e coisas parecidas. Ela começou a ficar sem-graça pela minha falta de atitude e falou que eu já tinha esclarecido. Percebi o que estava acontecendo e me aproximei e perguntei quais ela tinha lido… Ela me mostrou um e eu fiquei lendo ao lado dela… Ela falava de vez em quando “ai, que vergonha… fecha isso” e eu nem dava bola. Eu estava atrás dela e me agachei ao lado dela, de frente para o computador e com uma mão estrategicamente apoiada em uma perna sua, próximo ao joelho. Ela se arrepiou visivelmente, mas não fez nada pra impedir. Nesse dia ela usava um vestidinho que sabe que eu adoro (pois eu já falava dele…) e fica curtíssimo quando sentada. Minha mão que apoiava em seu joelho começou a ficar inquieta e eu a massageava enquanto lia. Ela começou a respirar mais fundo e descansou sua cabeça sobre a minha, me abraçando com a outra mão. Nisso a hora já havia passado e apenas eu e ela estávamos no prédio (pelo menos na nossa sala)… Comecei a acariciá-la com mais força entre as cochas e, antes de tornar 100% evidente, ela ameaçou abrir as pernas… Não aguentei e parti pra cima. Beijei-a no rosto e ela veio virando, com os olhos fechados e boca trêmula. Ela abriu os dois primeiros botões de minha camisa e acariciou meus peitos, como se pedisse que eu fizesse o mesmo. Minha mão já tocava em sua calcinha e com a outra eu a abraçava, impossibilitando alcançar os seios nesse instante. Ela não aguentou e caiu de boca no meu peito direito, como se estivesse louca pra sentir meu gosto faz tempo e eu comecei a bolinar a calcinha dela, que estava encharcada. O nervosismo era claro entre nos dois e ela parou o amasso de uma só vez e se levantou. Na mesma hora eu pensei: “FUDEU”. Ela foi até a porta e a trancou, depois voltou quase que dançando e falou:

– Você quer fazer o que agora?

Falou isso e veio tirando a calcinha. Eu respondi na lata:

– Não me pergunte mais nada. Apenas faça o que eu quiser!!!

Foi meio sem-graça a frase, mas o tesão trazia perfeição a tudo. Ela parou na frente da mesa dela e apoiou os cotovelos na mesa. Olhou pra mim e falou:

– Então vem e mostra se você sabe mesmo o que quer fazer.

Fui pra trás dela e subi com as mãos deslizando entre as cochas dela e ela deu uma arriada, como quem está se desequilibrando. Tremeu toda na base. Passei a mão bem no meio do grelho dela, que estava com os pelos bem ralinhos e completamente molhado (deu pra notar que seu caldo já tinha escorrido até o joelho). Lambi o caldo dela até chegar na danada e dei-lhe um banho de língua. Quando ela não aguentava mais, começou a puxar meu cabelo com força, como quem quer mais, e rebolava na minha cara. Não aguentava mais de tesão, mas esperei até ela pedir, numa frase que parecia mais um choro abafado:

– Não vai meter não, filho da puta???

Meti nela feito um cão no cio, por baixo daquele vestidinho dela… Meti com força e quase que com raiva, mas com cuidado pra não ultrapassar o ritmo dela. No meio da foda eu xingava ela de várias coisas (cachorra, safada, piranha…) Daí eu me extrapolei e falei:

– Aquele veado do teu marido não dá conta não?

Porra… Pra que. Ela parou na hora. Me olhou de frente e falou:

– Não toca no nome do meu marido!!!

Quando eu pensei que ela tinha acabado ela virou pra mim e completou a frase:

– Em vez disso, faz o que ele não faz!!!

Nisso ela se inclinou e empinou a bunda de uma forma que implorava um anal, mas não tive coragem pra não assustar… Enquanto eu metia na xaninha ela levantou uma das pernas e se arreganhou mais do que antes. Enfiei um dedo no rabinho dela, só pra não deixar aquele buraco desocupado e pra ela ter vontade de me sentir na próxima. Na hora de gozar, enfiei bem na portinha do cuzinho dela e descarreguei tudo o que tinha, forçando a entrada da cabecinha pra ela saber que aquilo teria dono um dia. Depois disso tomamos uma ducha no serviço mesmo, pois ela trazia uma toalha pra ir para a hidroginástica. Então, até que enfim mamei naqueles seios apetitosos que eu tanto desejava. Mamei com gosto então partimos pra outra seção ali mesmo, durante uma ducha quente que entrou pra minha história.

Não teve nada de acrobático como um boquete, uma gozada na cara ou uma penetração completa anal, mas foi o amaço mais gostoso que eu já dei na minha vida. Transamos apenas mais duas vezes depois desse dia, mas isso porque temos um laço de amizade que não dá pra transformar em um caso ou coisa parecida. Sou casado há seis anos e ela também é, então fica um pouco difícil. Confidenciamos muita coisa e trocamos experiências, mas o lance é mais de amizade mesmo.

Nas outras duas vezes foi muito mais completo e também foi gostoso pra cacete. Mas a primeira sempre é a mais gostosa…

Anúncios

Sobre T.A.D.

T.A.D. É um personagem, que diz o que passa na cabeça de seu autor. Visite o blog mais vezes para tirar suas conclusões: http://migre.me/b2PzD
Esse post foi publicado em Conto, Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para CONTO – Grávida no RH…

  1. ELA MIDUAS disse:

    Hummm! Gostei… gostei muito!
    Mas, em vez de re-publicar seu conto no meu blog (como vc sugeriu), penso em fazer algo diferente: criar uma seção lá sobre os melhores da semana que eu tenha lido por aí, a melhor foto, a sacanagem mais excitante… e então, eu comento e faço um link pro ORIGINAL de cada um. Acho mais digno, mais justo… e vc, acha o que?

    • T.A.D. disse:

      Acho as duas formas válidas. Gosto da republicação com os devidos créditos, pq quando alguém vê um link pra uma postagem mto antiga, geralmente não comenta. Prefiro que os comentários estejam no seu blog e seu blog me indique do que um link pra uma postagem antiga minha, sacou?

      Mas tanto faz. Só acho que a parceiria é que não deve morrer. Abraços.

  2. ELA MIDUAS disse:

    Optei pelas MELHORES DA SEMANA e vou fazer o link, as pessoas leem ou veem o ORIGINAL, acho melhor. Beijos da ELA

  3. Pingback: TERCEIRO ANO CHEGANDO… | Trauma a Dois – Passou pro seu nome? Arque com a dívida!!!

  4. Pingback: TERCEIRO TEMPO… | Trauma a Dois – Passou pro seu nome? Arque com a dívida!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s